Blog 'never forget me.' no Facebook. Clica aqui.

3.6.11




7º Parte

Tentei várias vezes ligar ao João mas sem sucesso. Cheguei a casa e foi tomar um banho. Foi para a cama sem jantar. Ouvia risos vindos da cozinha mas não estava minimamente preocupada em saber o que se passava. Tentei ligar outra vez ao João e dessa vez e ele atendeu.

J: ‘Tou?
R: João é a Rita, preciso de falar contigo, por favor não desligues.
J: Diz o que queres.
R: Não precisas de ser assim comigo. Eu também estou mal não és só tu.
J: Boa Rita se queres discutir, o problema é teu. Não estou com paciência para isso.
R: Se vais ser assim comigo, acho que é melhor ficar-mos já por aqui. Queria resolver as coisas mas se não o queres, adeus.
J: Não é isso.
R: Adeus João agora quem não quer falar sou eu.

Desliguei o telemóvel e foi à cozinha.

M: Estás melhor querida?
R: Sim mãe estou a pular de alegria pois estou quase a acabar com o meu namorado e há estou ainda mais contente por ir para um sítio sem ninguém.
P: Não precisas de falar assim para a tua mãe. Nós não temos culpa.
R: Aí não? Fogo ando a entender mal as coisas então só pode.
Saí de lá antes que eles pudessem dizer alguma coisa. Liguei o telemóvel, queria falar com a Sofia. Reparei que tinha 5 mensagens não lidas e 4 chamadas não atendidas. Era tudo do João. Decidi mandar-lhe uma mensagem.
R: Recebi as tuas mensagens e chamadas. O que querias?
J: Pedir-te desculpa por ter sido um parvo. Achas que podes vir ter comigo ali ao parque em frente da tua casa?
R: Sim, vou já ter contigo.

Vesti-me e sai de casa. A minha mãe ainda tentou dizer alguma coisa mas saí disparada de casa.

J: Ainda bem que estás aqui.
R: O que querias me dizer?
J: Queria te pedir desculpa por ter sido um parvo. Sei que és a pessoa que está pior nesta situação. Mas como querias que reagisse? Não sou o 1º a saber, depois sei que teremos de acabar e isso é a coisa que eu não quero. Sabes o quanto vales e sabes que isso eu não era capaz de fazer.
R: Eu sei. Disseste-me coisas que pensei que nunca me irias dizer.

Nesse momento percebo que a minha mãe está a ver-me da janela e a falar com o meu pai.

R: João, amanhã encontramos nos e falamos melhor a minha mãe não pára de olhar para aqui.
J: Sim claro. Espero por ti aqui amanhã de manhã.
R: Ok vá até amanhã.
Dou-lhe um beijo rápido e dirijo-me para dentro. A minha mãe estava outra vez daquela maneira como estava quando me disse que se queriam mudar para a Suíça
M: Rita tenho de falar contigo.
R: Amanhã. Agora vou dormir.

Dirigi-me para o quarto e passado um pouco tinha adormecido.

(continua)

3 comentários:

beatrizpereira disse...

adoro, adoro.

beatrizpereira disse...

de nada :)

SofiaSilva. disse...

obrigada :)